Parashá Devarim, Deuteronômio 1:1-3:22

Deixe um comentário

25 de Dezembro de 2014 por azamradobrasil

az_banner 5

Terras e seus donos

Estrutura do livro de Deuteronômio

Todo o livro de Deuteronômio consiste em discursos de Moisés ao povo de Israel nas semanas finais de sua vida. As pessoas estavam acampados nas Planícies de Moab, prestes a entrar a sua terra ancestral. As seções anteriores do livro (especialmente a partir de Deuteronômio 3: 23-11:25) comenta principalmente os fundamentos básicos da fé, crença, amor e temor de Deus, a consciência do Êxodo e do Pacto no Sinai sobre a qual a missão global de Israel é baseada. As seções centrais (Deut. 11:26-26:15) dão uma exposição detalhada das leis que estão a governar todos os aspectos de suas vidas, incluindo o Templo, o judiciário, o governo, casamento, divórcio, doméstico, negócios e na vida social. Os discursos de fechamento (de Deut. 26:16 até o final do livro) dão reprovação definitiva de Moisés ao povo e suas advertências e bênçãos antes de sua morte.

Um percurso histórico

Na porção da abertura do livro de Deuteronômio, que é chamada pelo mesmo nome Hebraico como todo o livro – DEVARIM – Moisés introduz esses discursos finais com uma extensa digressão histórica comentando alguns aspectos-chave da jornada de Israel através do deserto à sua terra, com especial atenção para os seus encontros e relações com os povos que moravam nos territórios vizinhos, especialmente Edom (descendentes do filho de Isaque, Esaú), Moab e Amon (descendentes do sobrinho de Abraão, Lot; Deuteronômio 2:2-23).

Deus proibiu Israel para provocar Edom: “Não combatais com eles, porque não vos darei da sua terra, nem do que pisar a planta de um pé, porque a Esaú dei o monte Seir por herança” (Det 2:5). O mesmo se aplica para Moab: “Porque não vos darei da sua terra por herança, pois Eu tenho dado a Ar aos filhos de Lot em possessão” (ibid v 9.). O mesmo também se aplica a Amon: “Porque eu não lhe darei da terra dos filhos de Amom em herança, porque Eu tenho dado aos filhos de Lot como uma herança” (ibid 19 v.).

No decorrer desta seção a Torá menciona uma variedade de povos indígenas que habitaram anteriormente esses territórios (Deut. Capítulo 2 vv. 10-12 e 20-23), observando como os filhos de Esaú, e os filhos de Moab usurparam e destruiu os moradores originais em suas respectivas terras (12 vv. & 22). Eles foram capazes de fazê-lo porque “Deus destruiu eles diante deles e eles sucederam e habitaram no lugar deles” (v. 21).

A Terra é do Senhor” (Salmos 24:1)

A Torá nos ensina que os vários povos do mundo possuem e habitam em suas terras – ou podem ser desapropriados deles – só porque “Quando o Altíssimo distribuía as heranças às nações, quando separava os filhos dos homens, fixou os limites dos povos por causa do número dos filhos de Israel” (Deuteronômio 32:8).

Os Cinco Livros de Moisés deve realmente ser visto como a ação mais antiga da propriedade da terra no mundo. Deus deu a Terra de Israel para Abraham, Isaac e Jacó e seus descendentes para sempre. A Torá define os limites exatos deste (Gênesis 15: 18-21 e Números 34: 1-12), que estipula que a condição essencial para a posse de Israel é a observância dos mandamentos de Deus (Deuteronômio 11:13-17 etc.).

É o cúmulo da ironia que, hoje, praticamente todas as nações do mundo representados nas Nações Unidas e outras organizações internacionais estão engajados em uma campanha que contesta a legitimidade da Pátria nacional Judaica em territórios ancestrais de Israel. No entanto, este não é um fenômeno novo. Quase mil anos atrás, Rashi, príncipe dos comentaristas da Torá (Rabino Shlomo Yitzhaki 1040-1105), abriu seu comentário sobre Gênesis, explicando que a própria Torá é a resposta a este desafio:

“‘Ele declarou ao Seu povo o poder das Suas obras, dando-lhe a herança das nações” (Salmos 111: 6). Pois, se as nações do mundo dizem a Israel: ‘Vós são ladrões, porque vós conquistaram as terras das sete (Cananeus) nações”, dizem-lhes:” ‘Toda a terra pertence ao Santo, abençado seja Ele; Ele criou e deu-o a quem estava adequado em Seus olhos, por meio de Seu favor, Ele deu-lhes e por meio de Seu favor, Ele levou isso deles e deu para nós'” (Rashi em Gênesis 1:1).

Conquistas e ocupações

Praticamente toda a história da humanidade é a história da ocupação de terras por vários grupos étnicos e sua conquista e posterior ocupação por outros grupos.

Quando pela primeira vez os Filhos de Noé começou a se espalhar em todas as direções ao redor do mundo, que consistia de pequenos grupos familiares e clãs que descobriram vastas extensões de terras de toda espécie pronto para eles tomarem, conquistar a natureza e desenvolver. No caso da terra sem dono e os recursos que ela contém, a lei da Torá concede explicitamente a propriedade para o primeiro (Maimonides, Mishneh Torá, Leis dos Direitos de Propriedade e oferta 1:1).

Enquanto as populações cresceram e se desenvolveram de formas diferentes, vários grupos foram freqüentemente tentados a tentar melhorar suas vidas através da migração para melhores territórios, que muitas vezes eles conquistaram de seus habitantes anteriores, a quem expulsou ou escravizou. A própria Bíblia registra um pouco da história dessas conquistas, tais como dos Edomitas e Moabitas recontados em nossa porção presente de Devarim (veja acima). O Livro dos Reis, Daniel, Esdras e Neemias, Esther etc. registra a ascensão e queda dos grandes impérios antigos “mundo” da Assíria, Babilônia, os Medes e Persas, ao abrigo do qual enormes extensões de terras foram confiscadas de seus habitantes nativos, que muitas vezes eram deportados à força. O Império Persa foi derrotado por Alexandre, o Grande, e do Império Grego foi então substituído pelo Império Romano.

Na “Idade das Trevas” vários “bárbaros” diferentes espalhados em muitas direções. Grã-Bretanha foi conquistada pelos Anglos e os Saxões, e, em seguida, pelos Normandos. Os últimos quinhentos anos desde a “descoberta” da América por Cristóvão Colombo testemunhou conquistas inigualáveis de territórios em todo o mundo pelas potências Européias, como a Grã-Bretanha, Holanda, França, Itália e Espanha. Era uma prática normal para as potências coloniais saquear as terras e os recursos que eles conquistaram e escravizar os povos indígenas ou destiná-los a uma vida de inferioridade, privação e pobreza.

Os impérios coloniais Europeus foram oficialmente desmantelados, mas a Grã-Bretanha continua a ocupar a Irlanda do Norte e também se refere às ilhas Malvinas como seu território. As forças Britânicas estão atualmente operando lado a lado com as forças Americanas, NATO e outros no Iraque e no Afeganistão, apesar de estes países estão a milhares de quilômetros de seus próprios países. Turquia ocupa grande parte do Curdistão, embora os Turcos e Curdos são etnicamente diferentes. China ocupa o Tibete, embora os Tibetanos são um povo diferente. Rússia ocupa regiões da Chechénia e da Geórgia, Espanha e França ocupam o País Basco, os Estados Unidos da América ocupa as terras dos Índios nativos Americanos.

Negócio legítimo

Nossa porção de DEVARIM ensina que enquanto Israel foram autorizados a conquistar os territórios que Deus prometeu aos patriarcas, eles foram proibidos de conquistar a terra dos Edomitas uma vez que esta não fazia parte da oferta de Deus. Pelo contrário, eles foram explicitamente ordenados a comportar-se em relação a eles em uma maneira civilizada, a compra de todos os fornecimentos que precisavam em seu caminho, incluindo até mesmo a necessidade básica de água, para o qual eles pagaram prontamente em dinheiro (Deuteronômio 2:6) .

Disto aprendemos que, mesmo quando as aspirações nacionais de um país são diferentes dos de outra, eles não devem considerar um ao outro como objetos de conquista e pilhagem. Pelo contrário, eles devem se relacionar entre si de forma pacífica, comprando ou vendendo, a fim de beneficiar o outro.

Escrito pelo Rabino: Avraham ben Yaakov

Traduzido por: Gilson Sasson

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Artigos Recentes

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 50 outros seguidores

Blog Stats

  • 34,093 hits
%d bloggers like this: